O que inspirou Mary Shelley a escrever Frankenstein?

Frankenstein de Mary Shelley

Mary Shelley tinha 18 anos (1797 – 1851) quando um sonho mudaria a sua vida. A inspiração para escrever Frankenstein veio no ano de 1815, o ano sem verão, quando o vulcão indonésio Monte Tambora entrou em erupção mudando o clima da Europa. 

Shelley estava de férias no Lago Genebra, na Suíça, com os poetas Lord Byron, Percy Bysshe Shelley (seu futuro marido) e o médico John Polidori. Byron sugere um desafio: Cada participante escreveria a sua própria história de fantasmas e votaria na vencedora.

Foi quando Shelley escreveu a sua história baseada num sonho na qual um estudante dava a vida a uma criatura. Esse sonho foi a base para a história de Frankenstein cujo romance foi encorajado pelo seu futuro marido. 

Dois anos depois a história foi publicada e Frankenstein, ou, o Moderno Prometheus, tornou-se um sucesso. Enquanto isso Polidori escreveu a obra The Vampyre que teria influenciado o Drácula de Bram Stoker. 

Shelley era filha da pensadora Mary Wollstonecraft, autora da obra A vindicação dos direitos da mulher e do filósofo anarquista William Godwin. Shelley cresceu em torno da elite liberal de Londres.

A mãe de Shelley morreu quando ela tinha apenas 3 anos de idade e a nova esposa de seu pai não lhe forneceu uma educação formal, por isso, ela aprendeu a educação escolar em casa, lendo livros pelo túmulo de sua mãe.

Conheceu o aspirante a poeta Percy Shelley com apenas 16 anos. O seu pai não aprovou esse romance, então o casal fugiu e viajou pela Europa. Ela teve uma vida marcada por tragédias. Viu os seus dois primeiros filhos morreram cedo.

Acredita-se que o desejo de trazer de volta os entes queridos inspirou Frankenstein. A descrição de Shelley sobre o despertar do monstro parece mais um desejo do que uma realidade: “Ele dorme; ele é despertado; ele abre os olhos; eis”.

Frankenstein ou o Moderno Prometheus é um dos romances góticos mais populares de todos os tempos. Foi escrito por uma adolescente e promoveu um novo gênero literário, a Ficção Científica.

O romance de Shelley fala sobre um cientista que cria um monstro sem nome com partes de cadáveres. Uma metáfora para o perigo da arrogância, afinal, o monstro continua a matar.

Inicialmente pensou-se tratar-se de um romance masculino, pois foi publicado anonimamente. Era comum trabalhos escritos por mulheres o anonimato. Percy Shelley apoiou a obra da esposa e promoveu a escrita da esposa entre os meios literários.

É bom salientar que Frankenstein não é o monstro, mas seu criador, o Doutor Victor Frankenstein. O monstro da história de Shelley é, na verdade, sem nome.

No começo do século XX o romance tornou-se tema de um dos primeiros filmes de terror, Frankenstein de Thomas Edison e desde então inspirou várias obras cinematográficas.

Percy Shelley se afogou em 1822 no Golfo de Spezia. Mary Shelley morreu de câncer cerebral aos 53 anos em 1851.

 

 

Via Independent