47 Ronins – John Allyn

47 Ronins

 

47-Ronins-John-Allyn 47 Ronins - John Allyn

Sinopse: Em 1701, no Japão medieval, um heroico grupo de guerreiros samurais parte em uma jornada a fim de vingar a morte de seu mestre, ainda que para isso seja necessário desafiar ordens do poderoso xógum. A incrível saga destes 47 homens, rebaixados à condição de ronins (samurais sem mestre), se tornará uma das mais belas e famosas lendas da história japonesa. Em um complexo jogo de lealdade e honra, o código samurai é levado a seu limite, mostrando que existem missões maiores que a própria vida.

 

Informações do Livro:

Título: 47 Ronins

Autor: John Allyn

Editora: Novo Século

Páginas: 216

SKOOB: 3,5

 

 

 

Olá amigos leitores do blog Estante do Wilson,

 

Hoje trago 47 Ronins livro que li e refleti muito durante alguns dias, pois apresentou uma cultura que intriga pela forma que trata alguns assuntos e causa espanto pela educação que deveria ser normal. Alguém lembra quando a torcida japonesa no final de uma partida de futebol estava limpando o lixo que produziram durante o jogo.

 

A cultura japonesa é riquíssima uma fonte inesgotável de sabedoria, aliás, o mundo ocidental utiliza muitos conceitos da sabedoria oriental para nortear a forma como levamos nossa vida. Questionamentos são feitos para pensarmos a maneira como levamos a nossa vida e a cultura oriental é um livro aberto para melhorar e quebrar paradigmas.

 

Aterrizando depois de uma breve reflexão 47 Ronins é um livro que recomendo pela possibilidade de reflexão que a obra oferece ao discutir a lenda dos Samurais sem Mestre que tem seus códigos de conduta, honras e suas tradições destacadas. A história se passa no século 18 mais precisamente em 1707 . O japão está passando por crises econômicas e institucionais, afinal, a corrupção está enraizada e afetando aqueles menos favorecidos.

 

Essas crises institucionais causam diversos conflitos e uma delas dará forma ao livro. Lorde Asano não estava acostumado com as maneiras da corte japonesa e a corrupção que estava encrustada nela. Pela maneira que foi criado com seu temperamento forte e muitas vezes considerado rude, Lorde Asano não se submete ao corrupto Kira.

 

Lorde Asano é incapaz de suportar os insultos do Mestre de Cerimonia do Shogun, Kira. Por conta desse temperamento Lorde Asano é condenado a morte, e para o código de honra dos Samurais é impossível viver em paz sabendo que o responsável pela morte de seu Mestre estava vivo.

 

“Nenhum homem deve viver sob o mesmo céu que o assassino de seu mestre.”

 

É a partir daqui que a obra fica interessante, afinal, ser um Ronin é a pior penitência para um Samurai, pois não teria o direito de seguir um Mestre e ceifar a vida por meio do seppuku que era uma espécie de restauração da honra. Com isso estariam vagando pela terra em desonra e sem sentido para sua vida.

 

John Allyn entrou nos detalhes para satisfazer a curiosidade dos leitores. O Samurai que perdesse o seu daimyo deveria praticar o seppuku de acordo com os ensinamentos do bushido. E para praticar o seppuku os Ronins deveria ser leais ao daimyo. É importante salientar que ser um Ronin nunca foi uma opção e sim uma condição imposta pelo daimyo. Era viver peregrinando e viver de pequenos serviços em troca de comida e de ensinamentos das artes Samurais.

 

Além desses detalhes da cultura japonesa a análise individual de cada personagem é importante, afinal, cada um tem uma particularidade que compõe o todo da cultura. Não basta resumir a história que é até muito simples, ou seja, um ato de vingança contra o seu Mestre. O que é importante no livro 47 Ronins é a análise psicológica de cada personagem, afinal, apesar de cada um seguir o código de conduta Samurai há uma sutileza, quase imperceptível, da maneira como conduzir esse código.

 

Essa reflexão não para por aqui, pois tenho lido muito sobre a cultura japonesa que é tão linda e uma maneira de dizer ao mundo Ocidental que a maneira como levamos a vida está errado. Há coisas mais importantes. Livro recomendadíssimo.

 

 

Boa Leitura amigos.