Todos Iguais, Poucos Diferentes – Morais de Carvalho

Todos Iguais, Poucos Diferentes

Todos Iguais, Poucos Diferentes quem não quer ser Anormal? Prefácio de Jorge Cruz dos Diabo na Cruz (Chiado Editora, 2016, 146 páginas), da escritora Portuguesa Morais de Carvalho, traz um conjunto de questionamentos sobre o mundo atual de forma que possamos entender onde estamos e aonde vamos. Vale a pena seguir a loucura diária do mundo moderno?

Algum tempo atrás recebi uma mensagem da escritora portuguesa Morais de Carvalho, muito simpática, que gostaria de fazer uma parceria de divulgação de seu livro, Todos Iguais, Poucos Diferentes.

O título me intrigou e muita coisa começou a passar pela minha cabeça e logo fui remetido ao livro O Alienista de Machado de Assis, afinal, quem estava louco? Doutor Simão Bacamarte ou os cidadãos da cidade de Itaguaí.

Enfim, aguardei ansiosamente o livro, pois ele me despertou pensamentos que estavam adormecidos, mas não esquecidos. O modo de vida atual nos obriga a um dilema que tem deixado às pessoas doentes. Participar dessa loucura toda ou ser apenas uma pessoal normal.

O livro começa com um prefácio de Jorge Cruz da Banda Diabo na Cruz, muito popular em Portugal. Embora, Jorge não quis revelar o conteúdo da obra, ele de certa forma abriu a porta da curiosidade que ficou impossível não entrar e conhecer o conteúdo.

Todos Iguais, Poucos Diferentes é a história de um homem observador e questionador sobre o mundo que nos cerca. Um mistério envolve esse mundo de forma que você não consegue parar de ler para descobri-lo. Os problemas cotidianos são muitos e ter esse homem desbravando cada trincheira para nos colocar em terras tranquilas será a batalha que devemos vencer.

 

DNA da obra

O texto é narrado em primeira pessoa e a sua fluidez é notada, pois você não consegue parar de ler. Com um tema profundo e importante nos dias atuais a vida moderna é questionada e nos coloca a seguinte pergunta: Você quer ser louco ou normal nos dias atuais?

O fato é que escolher a loucura diária abrirá portas para a depressão ou a ansiedade, afinal, somos moldados a serem apenas fantoches no meio de toda essa balbúrdia que é o Mundo. A partir daí somos acometidos de doenças invisíveis que prejudicam a nossa qualidade de vida.

Todos Iguais, Poucos Diferentes da escritora portuguesa Morais de Carvalho foi um presente de Natal antecipado, cuja experiência de leitura foi uma das melhores que tive nos últimos tempos. Por quê?

“Num mundo onde as nossas preocupações não passam de meras inutilidades.”

O livro vai abrindo portas para refletirmos sobre nossa existência e questionarmos o nosso modelo de vida. “Porque não há nada que provoque tanto ódio como o incomodo: da religião, do poder, da inveja, da religião, do fracasso (nosso claro!), da religião.”

Os avanços tecnológicos são notórios, porém, o ser humano parece viver na idade primitiva. A concorrência, ou melhor, a caçada diária pelo sucesso faz com que as pessoas sejam individualistas e capazes de seguir o caminho mais vil para atingir a glória.

Caso tenha alguma curiosidade observe o mundo ao seu redor e veja as pessoas suas características e tome muito cuidado, pois mexer com alguns deles pode ser perigoso.

No dia a dia você vê pessoas de cabeça baixa mexendo no celular alheio ao mundo. Um robô que caminha em direção a um lugar que será castigado, humilhado e seus sonhos serão ceifados.

Outra curiosidade que observo no metrô de São Paulo é a escada rolante que há uma mensagem para deixar a esquerda livre para os apressados irem ao abatedouro.

“E que raio de vida é a nossa se nem o fim podemos controlar?”

“A escravatura continua, só que mais sofisticada. Em vez do chicote, temos a humilhação que o nosso chefe nos faz passar sem motivo, só porque sim, só porque pode. Presos num emprego do qual não podemos sair…”

“É verdade, ganhamos o nosso dinheiro, mas essas notas nada mais representam do que os restos das refeições dados aos escravos. Continua a achar que és livre?”

Enfim, foi um dos melhores livros que li nos últimos tempos, afinal, tenho pensado muito sobre a forma como conduzo a minha vida e das futilidades que carrego para fazer parte de uma sociedade que obriga a ser uma pessoa que você não é.

Escolher um caminho é ter certeza que perderemos algo, porém, essas perdas farão faltas para nós? Vale a pena participar dessa loucura toda em troca de sua felicidade?

São questões que cada um poderá responder de acordo com suas experiências de vida, para tanto, sinta-se a vontade para deixar suas impressões aqui. Não deixe de ler Todos Iguais, Poucos Diferentes esse livro fará a diferença na sua vida.

 

Banda Portuguesa Diabos na Cruz

 

Capa

af_capaebook_todosiguaispoucosdiferentes Todos Iguais, Poucos Diferentes - Morais de Carvalho

 

 

Título: Todos Iguais, Poucos Diferentes

Autor: Morais de Carvalho

ISBN: 9789895184606

Páginas: 146

Editora: Chiado Editora

Nota Skoob: