O escritor Ievguêni Zamiátin desafiou Stalin

Nós do escritor Ievguêni Zamiátin

O lado bom de ter uma editora especializada em Ficção Científica é que excelentes livros são descobertos e outros tantos são redescobertos de modo que todo mês as livrarias são abastecidas com o melhor da Literatura Ficção Científica.

Antes de falar sobre o título recém-lançado convêm explicar a origem do termo Utopia, sim caros leitores, termo esse que foi cunhado no distante século XV pelo Thomas More (1478-1535), um escritor inglês autor do livro Utopia.

Mas que raios significa Utopia?

Utopia foi uma palavra criada por Moore que significa não lugar, ou seja, um local que de tão perfeito que é não existe. Confuso: Vamos imaginar uma ilha na qual há belas mulheres e belos homens vivendo em perfeita harmonia. Pensou: Existe um lugar assim? Caso alguém diga sim me avise.

O contrário de Utopia é Distopia e temos uma avalanche de publicações do gênero mundo afora. Fahrenheit 451 (1953) do escritor Ray Bradbury é um deles e Laranja Mecânica (1962) do escritor Anthony Burgess é outro. Clássicos lançados pela Editora Aleph.

As vendas desses livros explodiram com a ascensão do presidente americano Donald Trump. Alguns estudiosos utilizam essas obras para profetizar o futuro e alertar o mundo que estamos em perigo. Se for verdade ou não a leitura desses clássicos são sempre recomendáveis.

 

Lançamento da obra Nós do escritor  Ievguêni Zamiátin

E na esteira desses lançamentos surgiu a obra do escritor russo Ievguêni Zamiátin (1884-1937) com o título Nós. Considerado o pai da Distopia, Zamiátin teve a sua obra censurada pelo regime soviético. Por obra do acaso o livro cruzou o atlântico e foi parar nos Estados Unidos e nem preciso dizer o quanto foi bem recebido. Imaginam o motivo?

O livro trata sobre uma pequena população que sobreviveu a uma guerra e que agora está sob o regime totalitário Estado Único. Esse regime controla as pessoas com mão de ferro proibindo a diversidade. Nessa sociedade todos são identificados por números e aqui penso que o livro cumpriu uma parte de sua, vamos dizer, profecia. Atualmente nas empresas os funcionários são identificados por números e não por nomes. Estranho não?

A vida sexual é controlada, as casas possuem vidros de modo que você fique exposto boa parte do tempo, rotinas são impostas a todos, enfim, um regime totalitário da pior espécie.

O livro é narrado em primeira pessoa e traz como protagonista, um engenheiro chamado D-503, que toda a sua conversa é baseada na matemática. Algo muda na vida desse engenheiro quando conhece uma mulher chamada I-330 totalmente subversiva e cheia de mistérios.

Ievguêni Zamiátin inspirou autores importantes do mundo da Ficção Cientifica entre eles estão George Orwell e Aldous Huxley. Com essa autoridade toda podemos esperar uma obra de primeira grandeza.

Como sempre as edições da editora Aleph apresentam qualidades incomparáveis e com a obra Nós não seria diferente. Nessa edição há uma carta de Zamiátin para o todo poderoso Stalin.  Ievguêni Zamiátin se radicou na França onde morreu de forma precoce de um ataque cardíaco.

Para os amantes da sétima arte o livro foi adaptado pelo diretor checo Vojtech Jasny, que palavrão, em 1982. Segundo dizem os críticos o filme é fiel ao livro palavra por palavra, por isso merece ser assistido. Ah não podemos esquecer o livro que deve ser lido antes de assistir ao filme.

 

Capa

 

Título: Nós

Autor: Ievguêni Zamiátin

ISBN:

Páginas: 346

Editora: Editora Aleph

Lançamento: 17/03/2017

Nota Skoob: 4,2

 

 

Boa leitura e não deixe de comentar sobre a leitura e também sobre o filme.

 

Via Estadão Literatura