Count Zero – Willian Gibson – Editora Aleph

Count Zero – Trilogia Sprawl

Olá amigos leitores. Hoje o livro da vez é Count Zero de Willian Gibson. Um clássico da literatura Ficção Científica. Nessa obra Gibson amplia o universo da Trilogia Sprawl trazendo elementos antigos e criando outros.

A história é centrada em três personagens e o enredo segue com três histórias diferentes que ao longo da narrativa dará pistas que se juntarão no final. Count Zero é o segundo livro da Trilogia Sprawl. O primeiro Neuromancer já foi resenhado aqui no blog. O terceiro livro da Trilogia Sprawl se chama Mona Lisa Overdrive e em breve estará aqui no blog.

Bobby Newmark ou Count Zero é um cowboy que testa um novo tipo ICE-Breaker (Uma espécie de programa para invadir o firewall), no entanto, algo dá errado e por pouco não morre. Uma figura estranha o salva dando uma nova chance a ele. Quando tenta descobrir o que aconteceu, uma bomba cai em sua casa matando a sua mãe.

ICE-Breaker era baseado num software chamado Biochip, ou seja, um mecanismo de moléculas orgânicas que tinha a mesma função de componentes eletrônicos.

Turner, o segundo personagem, cuja função lembra um Headhunter (Caçador de Talentos), tinha o objetivo de retirar da Corporação Maas o funcionário Christopher Mitchell criador de uma nova e importante tecnologia, o Biochip. Alguma coisa dá errado nessa operação e Mitchell prefere que sua filha vá em seu lugar.

Angela Mitchell surge nessa confusão e Turner foge com ela e descobre que ela tem componentes capazes de entrar na Matrix sem um console. A partir daí o objetivo de Turner é descobrir o que deu errado e saber quem colocou aqueles componentes na filha de Christopher Mitchell.

Marly Krushkhova é a terceira personagem de destaque. É uma artista que mora em Paris. No passado foi acusada de vender uma peça de arte falsificada e isso prejudicou a sua carreira. Parecia que tudo estava perdido quando foi contratada pelo bilionário Herr Virek para encontrar uma caixa que salvaria sua vida, pois Herr Verik vivia com vários aparelhos médicos que o mantinha vivo.

Marly busca incansavelmente a tal caixa, tinha recursos financeiros ilimitados, no entanto, foi numa estrutura espacial que ela encontra o criador da tal caixa.

 

DNA da obra

Vou parar por aqui e dizer que Count Zero é uma história alucinante cheio de termos que merecem muita atenção. Não é um livro fácil. Com certeza merece uma releitura para explorar mais o universo criado por Willian Gibson e entender suas nuances.

Mas o pouco que entendi Gibson pretende discutir a individualidade e as ações das grandes corporações. O livro foi escrito na década de 1980 e acredito que foi um visionário, afinal, a individualidade nunca esteve tão destacada como hoje. Em sua obra os personagens para navegar no Cyberespaço utilizava um console. Atualmente para navegarmos nas redes sociais usamos um computador.

E o monopólio das grandes empresas de tecnologia descritas em Count Zero. Não remete as grandes empresas dos dias atuais como Google ou Apple?

Essa obra possibilita inúmeras discussões acerca da individualidade e o papel das grandes corporações em nossa sociedade, para tanto, convido você deixar seus comentários sobre a obra e sobre uma questão que me intriga há muito tempo. Qual o papel da tecnologia no ambiente de trabalho?

 

Capa

countzero_capa Count Zero - Willian Gibson - Editora Aleph

 

 

Título: Count Zero

Autor: Willian Gibson

Tradução: Carlos Angelo

ISBN: 9788576570509

Páginas: 304

Editora: Editora Aleph

Nota Skoob: 4,0